terça-feira, 9 de agosto de 2011

O Olhar para trás..

"Uma foto e algumas cartas jogadas, simplesmente, sobre aquela mochila velha que meu pai tinha me dado depois que terminei o colegial", assim pensou Carlos, enquanto observava sua -pequena- mãe preparando o almoço para seu trabalho. Então, pegou as coisas que havia encontrado de Ana e jogou no lixo, dispensando assim longos pensamentos sobre seu passado."

De maneira muito singela, acabei por ilustrar uma cena em que há um tipo de decisão à pessoa que pode interferir em seus modos temporais com certa facilidade. Carlos, um menino qualquer, acho eu que com uns 17 ou 18 anos teria, naturalmente, duas escolhas totalmente diferentes que o levariam a caminhos distintos em horas que ele se pegaria pensando no assunto "Ana". O relacionamento entre eles havia durado 4 meses, um tempo relativamente curto quanto a todo aprendizado que foi conquistando dia-a-dia, especialmente com suas sérias conversas. Porém, Carlos escolhe por seguir um caminho que tira, parcialmente, Ana de sua vida e de seu pensamento.

Se todas as pessoas conseguissem ter a mesma ideologia de Carlos, talvez existisse menos pessoas com alta capacidade de se iludir mesmo depois do término de um relacionamento importante em suas vidas. Mesmo sem a interferição de Ana, o pensamento de Carlos foi o mais convincente à sua pretensão de vida: esquecer totalmente tudo aquilo que já teve um fim. Nesse caso, mesmo sendo individual, é capaz de demonstrar confiança em si mesmo. Quando as pessoas conseguem pensar por si próprias o melhor para elas, já é um ótimo começo. A vontade é um dos principais fatores que estabelecem os caminhos que irão determinar os pontos de chegada dos nossos objetivos. As vezes, é conquistada facilmente, outras não. 

Em todo caso, o fato de decidir olhar para frente e não ficar dando atenção para o passado é algo que pode fortalecer -e muito- o alto estima de todos nós. Saber o que se passa no presente e conseguir dar valor à oportunidades que podem aparecer é notavelmente necessário à uma boa construção de futuro e de tudo que faz parte dele. Não há maneiras imagináveis de viver o presente bem, se importando muito mais com o que já passou. Aliás, tudo o que aconteceu um dia, tem motivo para estar no passado. 

O "olhar para trás" então, só é importante para ver que tipo de atitudes podem ou não serem repetidas novamente. É como uma espécie de espelho de ações que nos demonstram tudo aquilo que produzirá (ou não) bons frutos. Na maioria das vezes, a visão do mundo que as pessoas possuem é muito pequena, por isso deixam de pensar naquilo que pode realmente trazer um bem maior às suas vidas. Nem sempre há a visão correta de todos os pontos positivos e negativos de uma determinada situação, o que pode fazer com que escolhas sejam feitas de forma precipitadas e erradas.

Se Carlos tivesse optado por deixar que as lembranças fisicas tomassem conta do seu emocional, teria mesmo assim, construido um sentimento que, talvez, não tivesse nenhuma recíproca nenhuma. Deixaria que seu coração vivesse novamente momentos que fortaleceriam ainda mais tudo aquilo que realmente era expresso à tudo aquilo que tinha por Ana. A probabilidade de sofrimento seria um pouco maior, seria um pouco mais além e Carlos só deixaria de pensar numa possível volta quando sofresse o suficiente para o mostrar que esquecer e viver seria a melhor solução.

Em tudo na vida, temos decisões como a de Carlos. O mais importante nesses momentos é pensar apenas em nossa felicidade. Não é questão de egoísmo ou individualidade. É questão de maturidade em saber perceber que há momentos que tudo está em nossas mãos e é preciso uma decisão. Não pode-se viver o presente pensando no passado. A unica maneira de viver o presente é apenas deixar tudo que possa interferir de lado, pois assim sobra mais tempo para aproveitar a vida que é proporcionada a todos nós. Sendo Carlos, Ana, Juliana, Felipe, Fernanda, Bruna, João, Pedro ou qualquer outro nome, pense na sua felicidade, apenas. O resto é apenas consequência.

20 comentários:

  1. Sim. Devemos sempre pensar em nós. Até porque, amigo, amigo, de que adianta guardar objetos, lembranças vazias? Melhor é seguir em frente. O que fica na mente não se apaga, mas podemos seguir em frente.

    Bjs!!

    ResponderExcluir
  2. Pedro, muito bom o teu texto, gostei demais.

    abração. :)

    ResponderExcluir
  3. Oi Pedro,
    Concordo com que você falou. Vejo o passado como um espelho retrovisor para enxergar os acertos e os erros. A vida segue..e quanto mais eu for feliz mais eu poderei fazer outro feliz. Você me disse uma coisa que é uma das minhas características: ser simples. rs! Mas às vezes o difícil é manter simples. Acho que vem daí as decisões e a felicidade.
    Um beijo e um dia iluminado pra vc.

    ResponderExcluir
  4. Pedro,
    Você está nos conduzindo como um maestro numa sinfonia, em que as partituras são letras de nossa vida.
    Com segurança e maturidade, leio nas entrelinhas desta partitura, o quão necessário é que estejamos cada vez mais nos direcionando para um objetivo sadio, que será um desfecho em bom tom para que tudo se encaminhe bem.
    Pois bem meu caro amigo. Tudo que nos atrasa, tudo que nos prejudica, tudo que não constrói e só traz dissabor e sofrimento, é como uma carga, um fardo pesado que nos faz parar no meio do caminho.
    Desfaçamos, pois, este peso que nos sobrecarrega e andemos para frente sem olhar para trás.
    Não foi assim que falou o Cristo?
    "Aquele que lança mão no arado e olha para direita ou para esquerda, não é apto..."
    Muitas vezes querido amigo, diria que essas mochilas que carregamos são até necessária para que nos fortaleçamos...
    É quando calejamos nosso corpo e a própria alma.
    Daí, ganhamos com a experiência adquirida nesta odisséia, e com desenvoltura enfrentamos mais preparados os novos rumos que aparecem adiante.
    Creio que é isso. Não olhemos mais para trás, para não sofrermos ainda mais.
    Olhemos para frente sempre buscando uma nova motivação, com alegria, aptos, e certos de que embora lágrimas sejam derramadas, mas será para nosso bem e nosso crescimento.
    As indecisões nos fazem sofrer muito...
    Lindo texto e de novo seu brilhantismo é nítido nestas reflexões.
    Um abraço fraterno, muita paz e felicidades, são desejos sinceros deste leitor que tanto o admira.

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedro
    Seu raciocínio está absolutamente correto. Tomar decisões na maioria das vezes é muito difícil, mas é necessário. Esquecer o passado, viver o presente, é a postura correta em qualquer situação, pois só assim crescemos.
    Bjux

    ResponderExcluir
  6. Pensar em nós é o primeiro passo de tudo, pensar que somos a pessoa mais importante de nossas vidas é o passo mais importante! Decisões, faceis ou dificeis devem ser tomadas!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom moço!
    Leio e me emociono com essa grandeza aqui.
    Querido, parabéns por essa consciência linda que carregas contigo.

    Beijinho amado, é muito bom te ter na minha estrada.
    Fernanda

    ResponderExcluir
  8. Muito intereçante o seu texto.Se todos agissem igual ao Carlos,como vc mesmo disse,sofreríamos menos.O que passou não mais importa,vamos viver o presente.Grande texto ,parabéns,abraços.

    ResponderExcluir
  9. AMIGO NÃO VENHO COMENTAR SEU POSTE QUE DEVE DE SER LINDO,
    VENHO APENAS FELICITA-LO PELO TÃO LINDO, EXTENSIVO,E MARAVILHOSO COMENTÁRIO QUE DEIXOU NOS BLOGUE DO NOSSO AMIGO ANTÓNIO LIDIO.
    OS MEUS SINCEROS PARABÉNS PELA MARAVILHOSA FORMA E SENTIMENTOS QUE TEM SOBRE A COISA MAIS LINDA QUE HÁ NA VIDA O AMOR.
    UM GRANDE-BEM-AJA DEIXO O MEU BEIJINHO DE LUZ E MUITA PAZ NO SEU CAMINHO.

    ResponderExcluir
  10. Parabéns meu amigo, suas palavras são como diamantes. Fiquei aqui pensando em suas proposições e reflexões. Pois é, na vida nós temos o poder de decidir de várias maneiras e condições. Mas de todas as maneiras que possamos escolher, uma não pode ser: a nossa infelicidade. Devemos sempre ter em mente como objetivos maiores aquilo que nos faz bem, o que gostamos de fazer, criando uma identidade própria para não nos prejudicarmos num futuro e sermos frustrados conosco mesmos. Não é? Pois bem, temos que decidir coisas a nosso favor sempre pensando que a nossa individualidade muitas vezes também pode gerar benefícios para outras pessoas. Temos que esquecer o passado e lembrar do mesmo apenas com afeição, porque se dedicarmos muito tempo a ele esquecemos do presente e das maravilhas que o mesmo oferece. Obrigado por sua amizade nobre amigo e por todo o seu carinho explicito em meu blog. Todas suas colocação são extremamente admiradas por mim e colocada sob um ponto desconhecido em meu coração a qual apenas minha pessoa tem acesso. Nesse ponto sou egoísta. Gosto demais de vê-lo por lá e lê-lo. Ver as cores que você tece sobre meus caminhos e suas aspirações por um próximo texto. Seu texto é maravilhoso e saiba que gosto sempre, cada dia mais, de aparecer por aqui e de apreciá-lo com um gesto, mesmo que seja singelo. Deixo aqui hoje um abraço forte com palavras doces, para que não esqueça desse amigo que tanto o estima,
    Cordialmente
    Dan

    ResponderExcluir
  11. Primeiramente devo parabenizar-te pelo texto maravilhoso que acabei de ler.
    Quando nossa felicidade está em jogo, vale de tudo um pouco. É difícil quando traçamos um caminho, escolhemos algo, e tais dependem de outras pessoas; nesse caso nossa felicidade fica por um tris (acho que posso dizer assim). Ser feliz é o que há de mais belo no mundo todo, e todo ser humano procura isso para si. Não há saída, tudo o que fazemos, tudo o que pensamos tem de fato algum querer, mesmo pequeno, voltado para nós mesmos.
    Felicidade é estar bem mediante os obstáculos diários.

    E a propósito, fico muito feliz em recebê-lo no Distracting Pages. Obrigada por seguir, eu não me importo meeesmo rs'

    Beijinhos,
    Wanderly.

    ResponderExcluir
  12. Oi,amiguinho(achei legal seu blog),visite/siga o Blog do XANDRO(meu blog)vc vai gostar!;)

    http://blogdoxandro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Noooossssssssssssssaaaaaaamuitobommmm querido...um dinal de semana iluminadoo bjbjbj!

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde Pedro!
    Olha, visitando a página do poeta Antônio Lídio, vi um comentário seu que muito gostei e decidi seguir seu link e chegar até seu blog!
    Nossa, fiquei encantada! Muito bom gosto por aqui! Texto bem formulado com uma invejável escrita, e administrado por um rapaz de 18 anos!
    Só me resta aqui aplaudir!
    Foi um prazer entrar aqui!
    Uma linda tarde!
    Ange.

    ResponderExcluir
  15. Até que ponto podemos controlar o que sentimos?
    Quando na nossa vida devemos permitir que a razão se faça mais forte que a emoção, ou melhor, temos essa opção de escolha?

    Como seres humanos sentimos uma necessidade 'absurda' de nomear tudo, inclusive os sentimentos, no qual se refere as nossas emoções, sensações... É o sentir. E, esse sentir, por vezes, ultrapassa qualquer entendimento lógico, porque se distingue consideravelmente da razão. São dois pontos opostos, que juntos, como o verso e anverso de um papel, formam a nossa personalidade.
    Carente da razão somos injustos perante ao individual e o social, não pensamos duas vezes antes de agir, machucamos facilmente o outro, mesmo que sem intenção. Sem razão somos tolos demais.
    Carente de emoção somos frios, egoístas e vazios de nós mesmos. A razão, como nossa única face, nos torna metade humanos, ou até mesmo, desumanos... Há um raciocínio, mas não há um sentimento que o dê vida.
    Por isso, um lado reclama o outro, devem ser inseparáveis para nos tornarmos seres racionalmente humanos e humanamente melhores.
    Mas, mesmo juntos, são tão opostos como água e vinho. São líquidos, mas um tem uma tendência sólida, enquanto o outro evapora facilmente. Há sentimentos que nos deixam cegos, e é nesses momentos, que buscamos a razão para abrir os olhos. As vezes estamos tão cegos de razão, de explicação, que precisamos buscar no coração sentimentos que alivie tanta falta... Nem toda falta é preenchida por coisas sólidas.
    Engraçado, ao mesmo tempo que parecem o veneno capaz de nos matar, um se dispõe a salvar o outro a todo momento.
    Por vezes, nos esquecemos tanto de quem somos e do que somos capazes que deixamos nossas fraquezas emocionais privadas da razão e nossas fraquezas racionais privadas de emoção. Somos autores da nossa personalidade, temos duas armas que sozinhas são destrutivas, mas juntas, se moldam e fortalecem. Cabe a nós conseguirmos esse equilíbrio quando tudo parecer perdido...
    É difícil, precisa coragem, mas o fundamental nós já temos: Somos capazes de sentir e de refletir...

    E por falar em reflexão... Tive o meu verso e meu anverso tocados profundamente aqui. Ler o que você é escreve toca meu âmago sentimental e provoca ao mesmo tempo minha reflexão individual.

    Um prazer te seguir, te ler e me expressar sinceramente por aqui...

    Perdoe a extensão do meu comentário, mas a culpa é sua! Rs.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Lembrando que devemos sim correr atras de nossas felicidade e não esquecer que o amor pode está do seu lado abraço

    ResponderExcluir
  17. Ah Pedro, sempre me surpreendo com suas palavras. Eu acho muito interessante seus conceitos sobre as as coisas, sentimentos e pessoas. Precisamos de mais pessoas, como você, que tem essa ideia do mundo e de seus valores. Cansada de ver, indivíduos fazendo da vida um drama interminável por qualquer razão. A única pessoa que pode te fazer feliz, é você mesmo. Em situações como a de seu personagem, a única coisa a fazer é seguir em frente.
    Mais uma vez, ótimo texto Pedro (:
    Muitos Beijos.


    Luana Espindola

    ResponderExcluir
  18. Seu texto é divido em espaços singelos, eu diria. Conseguimos trilhar sobre as palavras e entender. Sobre você a um grande valor, a de dominar as palavras. A decisão é difícil, mais saiba que em mostrar para os outros a forma como você vê tudo, é uma das suas decisões sábias. Belo texto!

    Pedro, me identifico com você e com seus textos. E te admiro! Estava com saudade daqui, do seu cantinho tão singelo em uma forma rica de palavras, que conforta e nos encanta.
    Parabéns, um beijo no coração.
    Ana

    ResponderExcluir
  19. Tudo na verdade gira em torno das escolhas. E mesmo que essas sejam mínimas, o impacto que elas causam pode ser devastador, vai depender apenas do rumo que as mesmas irão tomar.
    Mais uma vez cá estou eu mergulhada em seu texto, e esse me tocou especialmente, pois me vejo nessas circunstâncias em que as escolhas têm me moldado e não o contrário. É aquela vontade de abraçar o mundo, tendo braços curtos. E assim deixando algumas coisas inertes, sendo que assim não poderiam estar. O que quero dizer é que as vezes escolhemos e não pesamos o quão isso pode nos pesar. Enfim, venho agora tentando encontrar o equilíbrio, para não mais deixar que a inerência se aproxime.
    Ah Pedrinho, e não ligue muito para o desabafo, e a minha ausência se dá por ele mesmo. Não pretendo ficar longe desse espaço que tanto gosto, por isso agora venho tentando reparar tudo. E que as escolhas sejam acertadas. ^^

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  20. Adorei o texto...!
    E que venha a felicidade!!!

    Beijosss....

    ResponderExcluir