domingo, 29 de abril de 2012

Ser ou ter?

Para falar da maneira que vivemos atualmente não é muito difícil. O mundo está colocado num âmbito capitalista com as pessoas vendendo seu tempo, sua forma de pensar e até mesmo valores emocionais para ter um meio de sobrevivência um pouco mais favorável, por assim dizer. Vendem-se sonhos, objetivos e formas de pensar e agir. Mas, até que ponto realmente isso pode ser algo a favor? Na verdade, será boa essa maneira de viver?

Todos nós vivemos rodeados de pessoas que, dos mais diferentes jeitos e estilos, procuram algo melhor para a sua vida. Uns preferem correr atrás de seus objetivos, outros se preocupam mais em esperar o momento certo para se ocupar de alguma tentativa proveniente que possa se beneficiar depois. Em todo caso, há pessoas que encontramos que se preocupam muito mais com o que temos do que com o que somos realmente. Se preocupam mais em querer algo, em facilitar a sua caminhada do que se envolver com um coração que é repleto de sentimentos e pode deixá-las melhor. Um rosto bonito é muito melhor do que um caráter? Particularmente, acho que não. Acho que tudo nessa vida deve ser olhado através do coração, da forma de pensar, da maneira de se relacionar com outras pessoas além de mim e através de ações que a outra pessoa em questão fez algum dia.. Os erros antigos não devem ser julgados, muito menos valorizados no presente. Todavia, devem ser considerados com uma proporção menor, para se ter um pouco mais de noção do que há de vir a partir de então.

Um sonho sempre será um sonho em qualquer lugar do mundo. Uma pessoa nem sempre será a mesma pessoa em diferentes ambientes que ela vai estar. Por isso, é preciso relativar cada um que aparece em nossa vida de uma maneira distinta, pois todos nós temos momentos, ações e sentimentos diferentes. Vale a pena vender sentimentos por causa de um querer pessoal? Vale a pena trocar uma pessoa que você gosta realmente por uma que tem como te dar presentes melhores? Por que o mundo afinal é assim? Na verdade, não sei responder. Sei que existem pessoas que preferem muito mais aparecer com carros lindos do que ter a simplicidade e a humildade de ajudar o próximo, sei que há muitos que julgam por aparência, status social ou até mesmo por riqueza. Porém, são esses tipos de pessoas que mais procuram ter o amor e não tem. Do que vale ter o dinheiro se não tem quem compartilhar? Do que vale comprar a felicidade se ela acaba rapidamente quando não se possui amigos maravilhosos que estão sempre ali para ajudar?

As melhores coisas da vida não se compram. São coisas que parecem normais, mas quando são verdadeiras, são mais valiosas do que qualquer coisa no mundo. São elas o amor, a humildade, abraços, beijos, carinho, o fato de gostar de ter alguém por perto e até mesmo o poder e a humildade de ajudar o próximo em momentos que mais se necessita de ajuda. As vezes, não damos valor pra vida que temos porque queríamos ter mais. Sonhamos com bem materiais e se esquecemos de cuidar de nosso coração. Não deixe que a valorização caia pro lado errado. Sempre valorize aquilo que é raro, coisas que não se compram com moedas, mas sim com a personalidade e a vontade de sempre querer fazer o bem para quem está ao seu redor. A vida é muito curta, aproveite da melhor maneira, ame aquilo que tem que ser amado. Não venda seu coração e sua personalidade.


11 comentários:

  1. Infelizmente actualmente vive-se num mundo superficial em que as relações sociais baseia-se na incerteza, numa instabilidade entre ter e não ter, ficar ou partir. Hoje em dia não se pode falar em algo nosso porque na verdade o que é realmente nosso? Tudo se vende e as pessoas esquecem-se da sua própria vida, das pessoas que as rodeiam que fazem parte delas, que elas tantas vezes ignoram. Trabalham horas a fiu, sobrevivem na base economicista em que apenas o consumo e a riqueza são valorizados. Infelizmente é esta a sociedade que temos, é esta a sociedade que poderemos dar aos nossos filhos. Gostei muito do post. Um Abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi querido Pedro,

    Tudo bem?
    Teu texto parece escrito por um cara de 40/50 anos, e daqueles que têm massa cinzenta.
    Todo o texto é coerente, do princípio ao fim.
    Ser ou ter? Dilema, para muitos.
    Com o verbo SER, facilmente, conseguimos o outro, TER.
    Se fores honesto, sincero, amigo de teu amigo, então ÉS.
    Se tiveres um montão de coisas, mas não sabes ser amigo, consolador, nos momentos difíceis, amar com lealdade e se entregar, de alma pura, então NÃO ÉS. SÓ TENS.

    E como tu dizes e muito bem: "As melhores coisas da vida não se compram". Imagina, estares com uma pessoa de quem gostas, de mão dada, olhando o céu, com luar. Hummmmmmm! Então foi excelente a sensação, não foi? E não se comprou, foi gratuíta e voluntária.

    Agradeço suas palavras em relação ao meu poema. Eu não sou caçadora, nunca fui, tenho pavor de arma, e matar animais não consigo.
    Bem, mas se me perguntares se já cacei com os olhos, eu devo responder, confessar, que sim.
    E quem o não fez, que atire a primeira pedra.

    VAMOS SONHAR, PEDRO?

    Boa semana, de muita paz e amor.
    Beijos de muito carinho e de uma luz puríssima.

    ResponderExcluir
  3. Eis a questão!
    Realmente e infelizmente meu amigo, vivemos em uma época superficial em que o "Ter" e mais importante que o "ser." São poucos (conta-se nos dedos das mãos) aqueles que colocam o SER em primeiro lugar.
    Infelizmente somos seres "viventes" desta época e, vulnerável a muito tipo de manipulaçoes. Precisamos ter casca dura para não sermos corrompidos por uma época.

    Pedro, rapaz admirável, sempre que venho aqui e lei um dos seus tetos saio daqui refletindo...
    Meus aplausos!
    Bjs.
    Ange.

    ResponderExcluir
  4. Caro Pedro, na realidade e não adianta aqui querer dizer que não, o que mais vende no mundo de hoje é a imagem construída dentro de um Status Social, aonde o que é importante, são contas bancárias, ferraris, muito dinheiro, uma bela casa, uma pessoa bem sucedida ou quando não, ser um artista ou um esportista que galgou muito sucesso! E nada contra quem adquire bens honestamente e se esforçou para atingir seus ideais. Espero que entenda meu raciocínio.
    Veja só Pedro, não sei qual tua religião, mas outro dia, vi o Edir Macedo, esculachando as pessoas por serem pobre e não quererem almejar grana, dólares, carros, casas, empresas.
    Veja que o que eles mais pregam é a CHAMADA DOUTRINA DA PROSPERIDADE.
    Para esse grupo de pessoas você vale pelo que tem, e não pelas Palavras do Cristo na prática dos ensinamentos divinos, e que eles, descaradamente, subvertem afirmando que Ele o Senhor, veio ao mundo para dar vida abundante de riquezas materiais
    Então meu querido, se no meio dito "cristão" “eu não valho nada por ser pobre”, quem dirá nos círculos sociais e até mesmo diante da família.
    Ahh meu caro... Ter coração bondoso, ser humilde, ser simples, virou artigo de museu e raridade nos dias de hoje.
    Infelizmente, a discriminação começa por aí, e esse assunto dará muito pano prá manga. Riqueza é bom, ser próspero também.
    Mas já vi alguns que ao receberem uma gorda herança, se transformarem daquilo que eram, para se tornarem arrogantes, gananciosos e presunçosos.
    Oxalá que continuemos nesse espírito e nessa comunhão tão deliciosa, fraterna e necessária, sem que precisemos ostentar bens materiais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Pedro boa tarde!
    Eu gostaria de entrar em contacto para lhe pedir algumas dicas , você se importaria de me dar um endereço qualquer, onde eu possa entrar em contacto com você fora da desta página de comentário?
    Ange.

    ResponderExcluir
  6. Pedro, eu poderia tentar te elogiar, fazer um comentário bonito, mas você, por si só, já é todo ilustre, todo distinto em suas palavras e sentimentos... Só posso te agradecer por compartilhar com nós um pouquinho desse inteiro você! (:

    ResponderExcluir
  7. Oi querido Pedro,

    Passando só para saber de você, como está decorrendo sua semana e se o sol tem muito mais brilho, agora.
    Tem sonhado, sempre? Excelente! Que Menino Bonito!

    Resto de dia feliz.
    Beijos sinceros da Luz.

    ResponderExcluir
  8. Ola Pedro,
    Belo texto.
    Infelizmente precisamos do material, mas o material não compra o emocional nem o espiritual. Pra mim é assim que eu vejo.Meus sentimentos não estão a venda. Nenhum deles.Nenhuma felicidade
    é tão extraordinária quanto as nossas decisões vitoriosas, pois as grandes conquistas partem das pequenas atitudes.
    Pra plantar um jardim temos que ter sementinhas...
    Essa semana lembrei de voce, com as bolinhas pula..
    Um beijo

    ResponderExcluir